Skip to Menu Skip to Search Contacte-nos Portugal Websites & Idiomas Skip to Content

2012 foi o Ano Internacional da Energia Sustentável Para Todos, proclamado pela Organização das Nações Unidas.

Como explicou à SGS Global, Richenda Van Leeuwen, diretora-executiva para a Energia e para o Clima da Fundação das Nações Unidas, este é apenas o ponto de partida para uma iniciativa pensada bem mais no longo prazo – até 2030. Concentrando-se no binómio desenvolvimento-energia, esta iniciativa vê a sustentabilidade como uma responsabilidade de todos e para todos. Este é o momento para agir! 

SGS: Quando foi definida a iniciativa Energia Sustentável Para Todos e com que objetivos?
Richenda Van Leeuwen: Esta iniciativa foi oficialmente anunciada em setembro de 2011, complementarmente ao Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos lançado por Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU – Organização das Nações Unidas. A ONU é a instituição ideal para reunir tão variado leque de atores e para criar uma causa comum de apoio aos três objetivos interligados que queremos alcançar até 2030:
- Assegurar o acesso universal a serviços energéticos modernos;
- Duplicar o ritmo global de melhoria da eficiência energética; e
- Duplicar a quota de energias renováveis no mix global.
Como pode ver, esta não é uma iniciativa de um ano. É o reconhecimento que o status quo em termos dos atuais sistemas energéticos não é sustentável e requer mudanças a todos os níveis, se queremos construir um futuro mais equitativo e mais sustentável, que também reconheça que só teremos desenvolvimento sustentável com energia sustentável.Como o secretário-geral da ONU disse: “Precisamos de aumentar a luz e diminuir o termostato” do mundo, para lidarmos com as questões ambientais, combater as alterações climáticas e apoiar o desenvolvimento, a saúde, a educação e a equidade. Por isto mesmo, o secretário-geral está a liderar esta iniciativa para mobilizar a ação de todos os setores da sociedade: governos, comunidades, empresas, sociedade civil e academia; todos têm o seu papel a impulsionar a ‘agenda sustentável’. 

Como e porquê é a energia um elemento-chave para o desenvolvimento sustentável?
Cerca de 1,3 mil milhões de pessoas ainda não têm acesso a eletricidade e mais mil milhões têm apenas um acesso precário. 1,3 mil milhões de pessoas dependem de madeira, carvão ou resíduos animais para cozinhar e aquecimento. No mundo de hoje, estas situações são altamente injustas e uma enorme barreira à erradicação da pobreza.
Nos países industrializados, o problema da energia está relacionado com a poluição e tratamento de resíduos, não com a escassez. Em todo o mundo, a ineficiência energética prejudica a produtividade e as emissões de GEE (gases com efeito estufa) têm contributos muito significativos para o perigoso aquecimento do nosso planeta. As alterações climáticas colocam-nos a todos em risco, mas afetam os pobres em primeiro lugar e da pior forma.
A chave para ambos os desafios é fornecer energia sustentável a todos – energia acessível, limpa e mais eficiente. 

O que significa ‘acesso à energia’?
A definição mais simples de ‘acesso à energia’ é a disponibilidade física de serviços energéticos modernos, incluindo eletricidade e a utilização de melhores equipamentos como fogões, no suprimento das necessidades humanas mais básicas a preços acessíveis para as populações. Por exemplo, o fumo da combustão em fogões poluidores e ineficientes mata prematuramente, quase 2 milhões de pessoas todos os anos.
Os serviços energéticos devem ser fiáveis, sustentáveis e, onde possível, com origem em fontes de energia renováveis ou baixas em carbono. Os preços acessíveis são preços compatíveis com o nível de rendimento dos utilizadores, não devendo exceder o que estes estariam dispostos a pagar por combustíveis tradicionais. (Frequentemente, os pobres pagam mais pela sua escassa energia do que os ricos.)
O acesso à energia é importante não apenas para o consumo, mas também para atividades geradoras de rendimentos que criam oportunidades e meios de vida sustentáveis. 

E o que se qualifica como ‘energia sustentável’?
‘Energia sustentável’ é aquela que é produzida e utilizada como forma de apoio ao desenvolvimento humano no longo prazo, em todas as suas dimensões: social, económico e ambiental. 

Porquê o foco na Energia Sustentável para Todos neste preciso momento?
Disponibilizar energia moderna, ‘limpa’ e a preços acessíveis é crítico para promover o desenvolvimento económico-social e alcançarmos os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio. Sem um intenso compromisso global para a ação concreta, a Agência Internacional para a Energia prevê que o número de pessoas sem acesso a eletricidade apenas passe dos atuais 1,4 mil milhões para 1,2 mil milhões em 2030 e que o número de pessoas que depende do uso tradicional da biomassa até aumente de 2,7 mil milhões para 2,8 mil milhões em 2030. Além disso, as preocupações urgentes com as alterações climáticas e a degradação ambiental sublinham a importância de recorrer a formas sustentáveis de energia para a viabilidade do planeta no longo prazo.
A redução dos custos e o aumento do investimento em energia ‘limpa’ nos anos mais recentes tornaram o acesso universal algo de exequível. Entre 2004 e 2009, a capacidade de energia renovável cresceu a taxas de 10% a 60% anualmente, para muitas tecnologias. O investimento em energia renovável aumentou 63% no primeiro quadrimestre de 2010, comparado com o mesmo período de 2009.
Também em 2010, já 100 países tinham metas políticas ou promoviam políticas relacionadas com energias renováveis, quando eram apenas 55 em 2005.  

Como avalia os esforços da Europa na senda da energia sustentável?
A iniciativa Energia Sustentável para Todos conta com um forte apoio de inúmeros parceiros europeus, incluindo a própria União Europeia e mais particularmente de países como a Noruega, a Dinamarca, o Reino Unido e outros. Também empresas europeias como a Vestas, a Statoil ou a Renault Nissan, já se envolveram nos trabalhos. A EDP - Energias de Portugal, por exemplo, tem sido um parceiro muito próximo, nomeadamente em projetos sobre o acesso à energia.

 

Excerto da entrevista dada à SGS Portugal em maio de 2012