Skip to Menu Skip to Search Contacte-nos Portugal Websites & Idiomas Skip to Content

A certificação de pellets ENplus aumenta a confiança dos consumidores e fortalece o mercado dos pellets de madeira na Europa, em consonância com requisitos internacionais reconhecidos por toda a indústria. A SGS é organismo de certificação/inspeção e já auditou a Pinewells, a Pelletsfirst e a JAF Madeiras, que obtiveram esta certificação que garante a qualidade do seu produto.

Está a aumentar a procura de alternativas aos combustíveis fósseis, de uma forma generalizada. No caso dos pellets de madeira, esta evolução está a passar pela garantia da qualidade do produto colocado no mercado, em consonância com requisitos harmonizados internacionalmente e reconhecidos por toda a indústria - certificação ENplus. Como organismo reconhecido para esta certificação de pellets, a SGS convidou a ANPEB para explicar em que consiste o sistema e quais as suas vantagem para todas as partes.

Por toda a Europa, com o aparecimento e crescente utilização dos pellets como alternativa a combustíveis fósseis, desenvolveram-se vários sistemas de certificação e selos de qualidade para pellets de madeira. Esta pluralidade de sistemas de certificação trouxe consigo requisitos de qualidade pouco uniformes que acabaram por dificultar as transações comerciais de pellets de madeira pela Europa, criando, simultaneamente, uma certa indecisão nos produtores de equipamentos quanto ao referencial a reconhecer como preferencial para os pellets utilizados.

O sistema de certificação ENplus vem, neste sentido, harmonizar os requisitos para pellets de madeira para toda a Europeu, sendo um referencial reconhecido e aceite pela maioria dos Estados Membros.

O representante do sistema de certificação de pellets ENplus, em Portugal, é a ANPEB - Associação Nacional de Pellets Energéticos de Biomassa. Segundo, João Ferreira, secretário-geral da ANPEB, “a Associação foi criada em 2010 com a principal finalidade de promover e ajudar a desenvolver o setor dos pellets de madeira nacional. Conta como seus associados com a maioria dos produtores de pellets nacionais que representam, entre si, um volume de produção de cerca de 650 mil toneladas anuais, movimentando aproximadamente 85 milhões de euros por ano”.

O sistema de certificação ENplus

Com o objetivo de estabelecer um referencial harmonizado para a qualidade dos pellets de madeira, reconhecido e aceite a nível Europeu, o sistema de certificação ENplus consegue, ao mesmo tempo, aumentar a confiança dos consumidores numa marca que ateste inequivocamente a qualidade do produto, fortalecendo, também, o mercado dos pellets de madeira na Europa e facilitando a circulação de produtos com qualidade testada e reconhecida.

Isto porque, “a certificação ENplus, visa não só a qualidade do produto, mas também o estabelecimento de requisitos para os procedimentos aplicados aos pellets de madeira em toda a sua cadeia de valor. Assim, são abrangidas pela certificação ENplus, empresas produtoras de pellets de madeira para produção de calor e empresas distribuidoras desse produto até ao cliente final”, esclarece João Ferreira.

As empresas com certificação ENplus terão a qualidade do seu produto reconhecida a nível Europeu e até em mercados extra comunitários como o da América do Norte. A certificação da qualidade ENplus permite uma expansão do produto a novos mercados, elevando assim as oportunidades de negócio e a competitividade da empresa num contexto internacional. Com a recomendação da marca ENplus por parte dos produtores de equipamentos, o consumidor procura cada vez mais produto com qualidade certificada, o que, em conjunto com o aumento do preço dos combustíveis fósseis, se espera contribuir significativamente para o desenvolvimento do setor dos pellets de madeira em particular e da bioenergia em geral.

Mas quem valoriza esta certificação? O consumidor final está atento, ou são só as empresas do setor? O secretário-geral da ANPEB é da opinião que “todas as empresas ligadas ao setor dos pellets de madeira, assim como os consumidores, demonstram uma atenção significativa para com a certificação ENplus.

Os consumidores procuram cada vez mais pellets de madeira com qualidade certificada, de forma a evitarem problemas nos seus equipamentos e a assegurarem um funcionamento fiável e constante dos mesmos. Problemas de funcionamento em equipamentos de queima, causados por pellets de madeira de qualidade duvidosa têm vindo a afastar os consumidores de produto não certificado, aumentando a procura por pellets de madeira de qualidade superior e testada como os certificados ENplus. A implementação do sistema que leva à certificação ENplus permite que os produtores de equipamentos de queima testem e otimizem os seus produtos para determinadas propriedades dos pellets, melhorando o seu funcionamento e indo de encontro às necessidades dos clientes. Desta forma, os produtores de pellets de madeira veem na certificação ENplus uma oportunidade de divulgar a qualidade do seu produto e até a abertura de portas para a exportação, aumentando assim as oportunidades de negócio e a competitividade da própria empresa”.



Como decorre o processo de certificação

As empresas que tencionem ser certificadas segundo o sistema ENplus devem contactar a ANPEB. De seguida deverão contactar um organismo de certificação/inspeção, como a SGS, que será responsável pela auditoria às suas instalações e processo de produção. Nesta inspeção são recolhidas amostras para serem analisadas em conformidade com os requisitos constantes no guia de certificação ENplus, por um organismo de teste reconhecido pelo EPC (European Pellet Council).

Verificada a conformidade do produto, organização e unidade produtiva com os requisitos ENplus é emitido um certificado com validade de três anos. O organismo de certificação informa a ANPEB da decisão positiva e será então emitida uma marca em conjunto com o número de identificação individual da empresa em questão, que deverá constar em todos os sacos, faturas e guias de entrega de modo a garantir a rastreabilidade do produto. As auditorias são anuais no caso dos produtores de pellets e com intervalos de pelo menos três anos no caso dos distribuidores de pellets de madeira.

Para o futuro, um dos principais objetivos da ANPEB é incluir representantes das várias áreas do setor nacional dos pellets, alargando a sua atividade a produtores e distribuidores de equipamentos para a combustão de pellets, distribuidores de pellets e empresas ligadas a equipamentos para a produção dos mesmos. “Com isto esperamos reunir uma pluralidade de conhecimento e desenvolver a partilha de experiências de modo a representar da melhor forma os atores do setor e, ao mesmo tempo promover a bioenergia”, refere João Ferreira.



in SGS Global 31, novembro 2012